Volta às aulas: livrarias focam em livros para superar período de pandemia

Incertezas e muitas dúvidas marcam as expectativas de vendas de materiais escolares para este início de ano e volta às aulas, em Campo Grande.

A CDL CG – Câmara de Dirigentes Lojistas de Campo Grande realizou levantamento junto à aproximadamente 30 (trinta) livrarias e empresas que vendem materiais escolares e constatou que muitos empresário estão resistentes em criar expectativas de vendas.

De acordo com o presidente da CDL CG, Adelaido Vila, considerando as incertezas trazidas pela pandemia, há muitas dúvidas quanto a este período de vendas. “Em 2019, no quesito vendas foi um ano muito bom. Já em 2020, tivemos a eclosão da pandemia em meados de março, prejudicando efetivamente as expectativas de crescimento para o ano”.

Pelo levantamento realizado pela entidade, o cenário pandêmico ainda deixa muita insegurança. “Temos empresário que ainda estão esperançosos e acreditam que as vendas atinjam 70%, com 30% de queda”.

Mesmo com as incertezas geradas pela pandemia, há quem espera por um aumento significativo nas vendas. “Todo o cenário causado pela pandemia dificulta a comparação com 2020, alguns estão se surpreendendo com o movimento e por isso reabasteceu a loja e caprichou nas novidades para atrair os consumidores”.

Apesar das aulas retornarem no modelo híbrido, inicialmente, por todo o contexto de pandemia, ainda há quem tenha boa expectativa e aguarde crescimento no setor. “Muitos tiveram um 2020 bom, pois a maior parte das vendas foram realizadas antes do fechamento do comércio, no meio do mês de março”.

Livros

Muitos estabelecimentos não reforçaram a papelaria para este início de ano e volta as aulas. A grande maioria dos empresário ouvidos pela entidade foca na venda de livros, que são abastecidos conforme a demanda.