Nota de repúdio

A CDL CG repudia veementemente a forma preconceituosa e antidemocrática com que um pequeno grupo trata os trabalhadores e consumidores que utilizam o transporte coletivo que passa pela rua Rui Barbosa e que utilizarão o ponto de embarque entre as ruas 7 de Setembro e 15 de Novembro.

É óbvio que os trabalhadores que utilizam essas linhas não são da mesma classe social que moradores e os tais comerciantes, tanto que são desprezados enquanto consumidores, porém, isso não faz deles pessoas “mal intencionadas”, ou bandidos.

Ao contrário, são trabalhadores, que acordam cedo todos os dias e tiram do trabalho no comércio da região central o sustento das suas famílias. São pessoas dignas que merecem respeito.

A entidade informa ainda que chamou todos os lojistas da rua para participarem das reuniões na Prefeitura, onde foi definida a instalação do ponto de ônibus.  Esse chamamento se deu por meio de carro de som e porta a porta pelas colaboradoras da CDL CG.

Sendo assim, quem realmente tinha interesse foi à reunião, que contou com todos os protocolos de biossegurança, e teve a liberdade de opinar. A decisão se deu por meio de um processo democrático e participativo, onde todos puderam votar, inclusive quem era contrário ao local decidido, e prevaleceu, como se espera numa democracia, a vontade da maioria.

Não concordamos com tamanho desrespeito por parte destas pessoas, que ao serem contrariadas por uma decisão tomada de forma coletiva e participativa, agora querem impor sua vontade, expondo pensamentos preconceituosos contra trabalhadores e demais lojistas.

A CDL CG  reforça que esse pequeno grupo não representa a maioria e de forma democrática foram derrotados durante as consultas realizadas em reunião.

 

Leia o posicionamento que motivou esta nota Matéria Correio do Estado