Fim do Estado de Emergência em Saúde Pública traz alívio para varejo que cobra valorização

Chegou ao fim o estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin), em função da pandemia de covid-19 no Brasil, tanto em nível federal, quanto em nível estadual. A portaria com a decisão foi assinada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em 22 de abril, com prazo de 30 dias para que estados e municípios se adequassem à nova realidade e o decreto do Governo de MS foi publicado nesta segunda (23), no Diário Oficial.

O presidente da CDL Campo Grande, Adelaido Vila, lembrou de toda a luta para manter o varejo de portas abertas. “Apesar das inúmeras dificuldades, inclusive das impostas pelas autoridades, conseguimos minimamente nos manter abertos. Em alguns momentos, tivemos que subir o tom e mostrar a importância do nosso setor. Se estamos vivos, hoje, é porque lutamos muito pela nossa sobrevivência”.

O presidente também afirmou que a retomada da economia passa pela valorização do setor varejista. “Não adianta decretar o fim da emergência e não ter os olhos voltados para o tamanho e importância do nosso varejo. Precisamos de políticas públicas, tanto em âmbito estadual, quanto federal, que deem suporte para que as nossas portas permaneçam abertas, garantindo emprego e renda para a população”.

De acordo com informações da Agência Brasil, a decisão do governo brasileiro foi tomada levando-se em conta o cenário epidemiológico e o avanço da campanha de vacinação no país. O Ministério da saúde informou que nenhuma política pública será interrompida.

O site do Governo Estadual informou que a revogação do status de Emergência de Saúde Pública em Mato Grosso do Sul, que vigorava desde março de 2020 por conta da pandemia de Covid-19 foi publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (23), após decisão do Comitê do Prosseguir (Programa de Saúde e Segurança da Economia).